6/28/2010


A VIDA

É uma peça de teatro
É um chegar
É uma partida
É o palco
É a cena
É todos a assistir
Não há lugar para pena
Tu
És o artista
Tu tens de triunfar
De ti todos esperam
Um desempenho excelente
Não os podes desapontar
O teu triunfo
A tua alegria
Eles dela se apropriam
Se falhas
Se adoeces
Vem a pena do coitadinho
Aí deves ser forte
Não deixar que alguém note
O que na alma te vai
Um artista nunca cai
De pé
Mesmo com dores nas entranhas
Corroendo teu corpo
Mesmo definhando
No íntimo fazes tuas preces
Curvas-te e agradeces
Levantas a cabeça
E segues caminhando
Representando a vida
Não sabendo até quando

António da Costa

1 comentário:

Maria-Portugal disse...

"Irmão Silencio fala com luzeiro (14:28)

Então começa por tocar num rosto que nunca recebeu um beijo, verás que aí encontrarás o rosto do Pai."


Encontrei esta antiga memória...vês como o Pai te chamou?