5/31/2010


GOSTAVA DE TE DIZER

Que a tua dor nos marca
Respeitamos o teu silêncio
Nem sempre falar é bom
Ás vezes calar
Faz bem ao coração
É preciso que saibas
Que quando quiseres falar
Cá estaremos para escutar
Não queremos dar palpites
Sobre o que estás a viver
Apenas estamos presentes
E ajudar o teu sofrer
Não sentimos o que sentes
Pois são tuas essas dores
Não queremos estar ausentes
Nem substituir parentes
Na companhia precisa
Queremos apenas ajudar
Se assim achares por bem
Respeitar o teu querer
No teu sofrimento e dor
Doente que estás a sofrer
Encontrarás em nós amor
O (V) não é de (vaidade)
Apenas serViço e
SOLIDARIEDADE


António da Costa

5/30/2010


Doente , É POR TI

Por ti ultrapasso fobias
Em ti penso todos os dias
Vejo em teus olhos flamejantes
A esperança em dias distantes
Vejo em ti o amor
Que tiveste e tens para dar
Mesmo que o teu sofrimento
Se sinta em teu olhar
Vejo revolta
Vejo serenidade
Vejo em ti a saudade
De tempos idos passados
De sofrimentos de outrora
Mas não como os de agora
Vejo desânimo em momentos
Em que não escondes sentimentos
Pois as forças já se foram
Os braços caídos de cansaço
Repousam em teu regaço
Não te apetece mais lutar
Mas numa palavra amiga
Eis a esperança de novo
Que fazem teus olhos brilhar
lá vais á luta de novo
com vontade de ganhar
Entre o vencer e desistir
Vá lá amigo e amiga
Não desistas dessa briga
Pouco tenho para te dar
Apenas esta vontade
De te poder ajudar
A luta não acabou
E acredita Amigo e amiga
Que é POR TI
Que aqui estou

António da Costa

5/22/2010

ENTRADA NO HOSPITAL




Chega sofrendo
Dor física dor de alma
Dor que dói doendo
Que no corpo vai corroendo
As entranhas de seu ser
Dor que não para de doer
Dor de sofrer
E fazer os outros sofrer
Dor de se sentir culpado
Da dor que os outros sentem
Ao ver o sofrimento calado
Que os olhos por vezes mentem
Dor que um dia chegou
Como carta que de longe vem
Que más noticias nos trás
E que esperamos nunca chegue
Não sabemos se seremos capaz
De ultrapassar o que de mal elas tem
Dor que dói a valer
Que ultrapassa a esperança
Presente na lembrança
De que tudo irá passar
E deixará de sofrer
Mas
Quando isso vai ser ?
Quando vai acontecer ?
E vai deixar de doer ?
Ou apenas acabar ?
Doente que chegas sofrendo
Que a esperança não te acabe
Exige que te ajudem
É essa a obrigação
Dos que bons pensam que estão
E minorar tua dor
Terão de o fazer com amor
É essa sua missão
E em moral a obrigação

António da Costa
http://pensandodizendo.blogspot.com/